69ª O ENTERRO

Volto a ser convidado a dirigir um espectáculo a partir de um texto do Fernando Augusto. E isso dá-me um grande prazer. Primeiro, porque gosto de encenar peças de autores que sabem como deve [...]

80ª PASTÉIS DE NATA PARA A AVÓ

Num lar de 3ª idade, fria e desumanamente dirigido pela encarregada Eugénia, reside D. Maria das Dores que começa a se revoltar com tal situação. No dia em que morre uma das residentes do lar - a [...]

78ª A`ROSAS SUICIDAM-SE

Um conjunto de máximas poéticas abrangendo os mais variados temas e circunstâncias da vida servem de mote para que dois homens irrelevantes de personagem se entretenham a divagar sobre a vida. [...]

106ª Credo

«Eu quero que os vivos venham gritar por mim e colocar-me de novo na minha vida que eu amava mais do que qualquer coisa que alguém tenha amado... Eu quero os meus olhos e o meu dom para as [...]

108ª A NOSSA CIDADE

A Nossa Cidade, de Thornton Wilder, conta-nos a história duma pequena cidade, que, neste espectáculo, pode muito bem ser o Funchal no dealbar do século XX. O dia-a-dia da cidade desfila diante [...]

112ª GREVE DE SEXO

Cansadas duma guerra que já durava 20 anos, as mulheres de Atenas, de Esparta, de Beócia e de Corinto chefiadas pela ateniense Lisístrata, decidiram por fim às hostilidades usando de uma táctica [...]

120ª Madeira, Mydear

«(...) Cai a água. Parte-se ali um pico, rola um penedo que esmaga com um baque surdo uma velha, um miúdo ou um galo. Um vilão traz um boi. (...) Rola o Penedo: quem morre, [...]