A Máquina do Tempo
de Natália Teles

Temporada artística

2002

Em exibição

2002
Cine Teatro de Santo António

Classificação etária

Maiores de 3 anos

Duração

1 Hora
(aproximadamente)

Encenação
Fernando Augusto

INTÉRPRETES E PERSONAGENS

Duarte Rodrigues | Professor Einstein 
Patrícia Perneta | Prudência 
Zé Abreu | Super Homem/Camões 
Paula Erra | D. Alzira/Bela Adormecida/E.T. 

Ficha Artística e Técnica

Autoria | Natália Teles
Encenação | Fernando Augusto
Assistente de Encenação | Cristina Loja
Figurinos e Adereços | Cristina Loja
Cenário | Cristina Loja e Juvenal Cañadas
Música | Fernando Gomes dos Santos
Execução Musical e Direção vocal | Ricardo Gonçalves
Encarregue de Contra-cena | Avelina Macedo
Mestra de Guarda-roupa | Julieta Arriaga
Costureiras | Ilda Gonçalves e Conceição Franco
Concepção Gráfica | Laura Menéndez
Execução Gráfica, Carpintaria e Serralharia | Estabelecimento Prisional do Funchal
Sonoplastia | Henrique Vieira
Desenho e Operação de Luz e Som | LUZELÉCTRICA

Texto do Encenador

Levantar no palco “A Máquina do Tempo”, no TEF – Companhia de Teatro é, para mim, por duas razões diferentes, motivo de grande alegria.
Por um lado, é uma honra e privilégio, poder contribuir, ainda que modestamente, para uma notável obra a favor do Teatro “Infanto-juvenil” – logo a favor do Teatro e do Futuro – obra que o TEF – Companhia de Teatro vem desenvolvendo como nenhuma outra no nosso País, com qualidade, rigor, com verdadeiro espírito de sacerdócio, praticamente sem tréguas, no último quarto de século.
Por outro lado – e num momento em que tanto se questiona o avanço da Ciência em certas direcções (os clones, as Dollys, as manipulações genéticas de alimentos, etc) – cai como sopa no mel este texto de Natália Teles, que, brincando com o imaginário de todos nós, jovens e adultos, no final nos deixa um recadinho no sentido de não forçarmos a Mãe Natureza.
Oxalá eu e toda a equipa consigamos fazer chegar o recado da autora.
E que suba o pano, que por sinal, é uma coisa que o Cine Teatro Municipal de Santo António não tem!!!

Texto da Autora

Foi com redobrada alegria que acolhi a notícia de que a minha “Máquina do Tempo” ia ser levada à cena.
E digo redobrada, pois só ia ser feita por uma companhia que merece toda a simpatia e respeito dada a qualidade e rigor do seu trabalho, como ia ser encenada pelo Fernando Augusto, que para além das suas qualidades, e grandes, de dramaturgo, professor, encenador, tem outras do ponto de vista humano, que fizeram dele o Meu Grande Amigo, desde que há muitos anos nos conhecemos.
Por isso, que posso eu dizer, senão que me senti muito honrada e tenho a certeza, que este meu despretensioso, mas oportuno e divertido texto, reúne todos os ingredientes para resultar em mais um interessante espectáculo, como de resto vem sendo uma marca habitual nesta companhia.

Natália Teles

Start typing and press Enter to search

Produção 84 do Teatro Experimental do FunchalProdução 89 do Teatro Experimental do Funchal