7 março | 21h00 | Estreia

Duração

90 minutos (aproximadamente)

Classificação etária

Maiores de 12 anos

CARTAZ

800_148_cartaz_a3_2_principal

SOBRE O ESPETÁCULO

Ao reler este fantástico texto de Luiz Francisco Rebello, cena após cena, ato após ato, o espectador caminha para uma reflexão da existência, do sacrifício e do amor, valores em carência extrema na atualidade, com questões primorosamente retratadas pelo autor, longe da comédia da vida, retratando situações em colapso do nosso quotidiano. Pela atualidade e pela abordagem e profundidade existencial e dramática que nos é oferecida, decidi que este seria o texto ideal para levar à cena, no momento, adotando uma leitura de fantástico e de policial ao modo de Agatha Christie.

Uma sociedade cada vez mais habitada pela traição, pelo cinismo, pela hipocrisia, pela falta de solidariedade, pelo desrespeito e pelo desprezo pelo outro e onde, acima de tudo, abunda a falta de humanidade e a ausência de amor, sentimento retratado como tema central deste drama existencial.

Nesta família, célula minúscula deste imenso planeta, os segredos e ressentimentos que cada um sente pelo outro, numa única noite, correm o risco de ser revelados.

Se, por um lado, a inesperada visita de um estranho, vem incomodar a aridez existencial em que vivem cinco pessoas, por outro lado, o mistério sobre qual deles irá morrer nessa noite, mediante uma proposta igualmente inesperada, dará ao desenrolar das cenas, o clima de suspense necessário para manter o espetador curioso até ao desfecho.

A pergunta fica no ar, se por um acaso do destino, um dia, um agente da Morte lhe batesse à porta com uma proposta inesperada, qual seria a sua reação…!?

O encenador

Calendário

Março

07 | 21h00 | Estreia
08 | 18h00

12 | 11h00 e 21h00
13 |15h30 e 21h00
14 | 21h00
15 |18h00

19 | 15h30 e 21h00
20 | 15h30 e 21h00
21 | 21h00
22 | 18h00

26 | 11h00 e 21h00
27 | 15h30 e 21h00
28 | 21h00
29 | 18h00

Abril

07 | 21h00
08 | 21h00
09 | 21h00

16 | 21h00
17 | 21h00
18 | 21h00
19 | 18h00

Personagens | Intérpretes

Mordomo | Luciano Moniz
Augusta (cunhada) | Sara Cíntia
Gabriela (filha) | Sandra Barreto
Rui (pai) | Duarte Rodrigues
Marta (mãe) | Celina Pereira
Desconhecido | Marcos de Góis
Vítor Manuel (filho) | Daniel Nascimento

Sinopse

O espetáculo reflete o jogo violento e sem tréguas daquilo a que alguns chamam Vida, mesmo tendo como pano de fundo a Morte, e levanta questões que nos fazem pensar sobre a relação que mantemos com o nosso semelhante… – as traições (por pequenas que sejam) que se cometem diariamente, o cinismo, a hipocrisia, a falta de solidariedade, o desrespeito e o desprezo que se sente pelo outro, em resumo, a falta de compreensão, a falta de humanidade e, acima de tudo, a falta desse sentimento, tantas vezes dito e quase sempre esquecido a que se dá o nome de Amor.

Num contexto quotidiano, inesperadamente, um emissário da Morte bate à porta e deixa aos elementos da família um propósito surpreendente: até à meia-noite, alguém terá de morrer. Não importa ao mensageiro que seja o marido ou a esposa, a cunhada ou qualquer um dos filhos, um será o escolhido e isso basta. O círculo fecha-se em torno de cinco pessoas e dentro dele não há espaço para mais ninguém. E agora, terão que escolher quem, de entre eles, cumprirá esse destino…

FICHA TÉCNICA e ARTÍSTICA

Texto | Luís Francisco Rebello
Encenação | Eduardo Luíz
Dramaturgia | Eduardo Luíz e Márcia Rodrigues
Direção de Cena | Avelina Macedo
Encarregue de Contrarregra | Luciano Moniz
Cenografia | Paulo Sérgio BEJu
Seleção e Adaptação de Figurinos | Cristina Loja
Costura de Guarda roupa | Salete Silva
Maquilhagem | Marcos de Góis
Caraterização | Pedro Monteiro
Adereços de cenário | Paulo Sérgio BEJu
Adereços de figurino | Cristina Loja
Criação vídeo projeção | Diogo Brazão
Criação de efeitos e Montagem Banda Sonora | Diogo Brazão
Operação de Som e Imagem | Diogo Brazão
Desenho de Luz | Eduardo Luíz e António Freitas
Montagem de Luz | António Freitas, Diogo Brazão e Diogo Jardim
Operação de Luz | Avelina Macedo
Assistência Técnica | Diogo Brazão e Diogo Jardim
Carpintaria de Cena | Anastácio Santo
Fotografia do Cartaz | DDiArte
Design Gráfico | oneline
Redação e Revisão de Conteúdos | Ester Vieira
Fotografias de Cena | Diogo Brazão e Ester Vieira
Video clip promocional |Diogo Brazão
Direção de Produção | Ester Vieira
Assistentes de Produção | Sandra Cardoso e Sílvia Rosado
Promoção e Divulgação | António Plácido, Ester Vieira, Diogo Brazão e Filipe Gomes |oneline
Apoio Administrativo | Helena Machado
Frente Casa | Ester Vieira, Sandra Cardoso e Sílvia Rosado
Bilheteira | Helena Machado

Sobre o Autor

Luiz Francisco Rebello nasceu a 10 de setembro de 1924 em Lisboa. Foi dramaturgo, tradutor, ensaísta, crítico e historiador de teatro, especialista de fama internacional em matéria de direitos de autor. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa, presidiu à Sociedade Portuguesa de Autores durante 30 anos (1973 a 2003). Foi presidente do Conselho de Autores Dramáticos, Literários e Audiovisuais da Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores (1976-78).
Com ligações ao teatro, fundou e dirigiu, em 1946, juntamente com Gino Saviotti, o Teatro-Estúdio do Salitre e, em 1971, foi nomeado diretor do Teatro São Luiz, cargo de que se viria a demitir no ano seguinte por não concordar com as ingerências da Comissão de Censura.
É autor de uma notável obra de dramaturgia e investigação teatral, de que merece especial referência a História do Teatro Português e numerosa bibliografia sobre a temática e o código dos Direitos de Autor.
Colaborou em inúmeros jornais e revistas, entre eles a Colóquio-Letras, o Jornal de Letras, a Seara Nova e a Vértice, na revista luso-brasileira Atlântico, no semanário Mundo Literário (1946-1948) e ainda na revista Arte Opinião  (1978-1982). Dirigiu, de 1971 a 2011 um Dicionário do Teatro Português, publicado em fascículos.
Jean-Paul Sartre e Pirandello foram os autores que mais o terão influenciado a nível estético.
Foi casado com a atriz Mariana Villar, de quem teve uma filha, a advogada e autora Catarina Rebello.
Luiz Francisco Rebello morreu a 8 de dezembro de 2011 em Lisboa.

Distinções

Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, em 9 de junho de 1985
Insígnias de Cavaleiro da Ordem Nacional do Mérito (1991), atribuídas pelo Ministro da
Comunicação francês George Kiejemann
Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada, em 16 de junho de 1999
Prémio de Teatro da ex-Sociedade de Escritores (1964)
Grande Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores (1994)
Consagração do seu nome na toponímia de Lisboa através do Largo Luiz Francisco Rebello
(2016), situado num dos pátios desenhados por Álvaro Siza Vieira no Chiado

PREÇARIO | Bilheteira

3,50 € | Escolas | Instituições de Solidariedade Social (mediante reserva)
10,00 € | Público em Geral

DESCONTOS

5,00€ | Residentes freguesia Stº António* | Artistas* | Familiares de Sócios ATEF | Familiares e Amigos do elenco
7,00 € | Estudantes* | Crianças e jovens até 18 anos* | Maiores 65 anos* | Professores* | Grupos 10 ou mais pessoas

PACOTES

12,50€ | 01 adulto + 01 crianças
20,00€ | 01 adulto + 02 crianças
23,00€ | 01 adulto + 03 crianças
25,00€ | 02 adultos + 02 crianças
27,00€ | 03 adultos + 01 criança

*Apresentação de documento comprovativo

Serviço Educativo 2019-2020

TRADUÇÕES LGP sujeitas a marcação antecipada.

CONVERSA DE BASTIDORESDisponibilizamos encontros entre Escolas e Atores, sujeito a marcação obrigatória no ato de reserva. Estas ações poderão ocorrer em todas as sessões, exceto na sessão de 6ª feira | 9h30.

RESERVAS E CONTACTOS
segunda a sexta
09h30 – 12h30 e 14H30 – 17h30
Telef. – 291 226 747 | 933 369 136
email:  info@atef.pt
Bilhetes à venda 1h00 antes do espetáculo, no local de representação.
NÃO ACEITAMOS RESERVAS POR FACEBOOK

Start typing and press Enter to search

Produção 22 do Teatro Experimental do Funchal