A Excomungada
de Bernardo Santareno

Temporada artística

1995

Em exibição

1 a 12 abril 1995
Teatro Municipal Baltazar Dias

classificação etária

Maiores de 12 anos

duração

1H30m
(aproximadamente)

Encenação
Eduardo Luíz

INTÉRPRETES E PERSONAGENS

Elenco Principal:
(por ordem de entrada em cena)

Custódia |Fátima Rocha
Arminda | Margarida Gonçalves
Irmã Trindade | Ana de França
Madre Superiora | Conceição Pereira
Irmã Angélica | Patrícia Perneta
Irmã Natividade-Maria da Luz | Ester Vieira
Rosária | Bernardete Andrade
Xico | Paulo Brazão
Esteves | António Plácido
Luís | Emanuel de Abreu
Casimira | Margarida Gonçalves

Figuração:
Ana Isabel, Celina Pereira, Cristina Loja, Ema Caldeira, Irene Costa, Natércia Silva, Paulo de Castro e Paula Erra.

Ficha Artística e Técnica

Autoria | Bernando Santareno
Adaptação, Encenação e Direcção artística
 | Eduardo Luíz

Assistente Artístico | Duarte Rodrigues
Director de Cena | Emanuel de Abreu
Contra-regra Geral | Cristina Loja
Cabo de Figuração | Miguel Vieira
Cenografia, Figurinos e Adereços | Paulo Sérgio
Caracterização | Miguel Vieira
Artes Gráficas | Emídia Loja
Carpintaria de Cena | Sérgio Paulo
Apoio de Carpintaria e Montagem | Humberto Andrade, João Lino, Miguel Gonçalves e Cristina Loja
Execução de Guarda-roupa | Julieta Rodrigues
Ajudantes de Costura | Rita de Sousa, Mirita Coelho, Teresa Poipão e Ilda Vieira
Execução do Painel | Teresa Brazão e Virgílio Gomes
Luminotecnia | Hélder Martins
Ajudantes de Electricidade | Ricardo Nunes
Sonorização |  Henrique Vieira
Coordenação da Produção | Pedro Cabrita, Patrícia Perneta e António Plácido
Patrocínio Publicitário | Diário de Notícias e RDP – Madeira

Texto do Encenador

Este espectáculo é dedicado à memória do encenador Mário Feliciano, falecido no mês de Fevereiro de 1995.
Foi director e encenador dos Cursos de Directores e Encenadores de Teatro Amador realizados na Madeira no Teatro Municipal Baltazar Dias, promovidos pelo Inatel, que decorreram nos anos de 1992, 1993 e 1994.
Ao seu profissionalismo, ao seu desempenho e à dedicação que confiou ao trabalho efectuado nesta ilha. Ilha que lhe fica a dever, nos anos vindouros de aperfeiçoamento dos actores dos grupos de teatro regional, a nossa saudade.


Produção 22 do Teatro Experimental do Funchal