Vidas Privadas
de Noël Coward

Temporada artística

2016/2017

Em exibição

20 abril a 28  maio 2017
Cine Teatro de Santo António
(em itinerância na Calheta e Machico)

Classificação etária

Maiores de 12 anos

Duração

Duração do Espetáculo: 1:45 minutos (aproximadamente)

Produção 140 da Associação Teatro Experimental do Funchal

AGRADECIMENTOS

DIVISÃO DE APOIO À SURDEZ E CEGUEIRA / DRE GABINETE DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E RECURSOS / ASPFAM – ASSOCIAÇÃO DE SURDOS, PAIS, FAMILIARES E AMIGOS / SECÇÃO DE EQUIPAMENTOS E CONSERVAÇÃO / DRE

Encenação
Eduardo Luíz

INTÉRPRETES E PERSONAGENS

MARGARIDA GONÇALVES – Sybil Chase 
FILIPE  LUZ – Elyot Chase 
DUARTE RODRIGUES – Victor Prynne 
ISABEL MARTINS – Amanda Prynne 
CÉLIA DO CARMO – Louise 

Ficha Artística e Técnica

Texto | Noël Coward
Dramaturgia e Encenação | Eduardo Luíz
Assistência de Encenação e Direção de Cena | Célia do Carmo
Encarregue de Contrarregra | Pedro Santos
Conceção, Execução Cenográfica e de Adereços de Cena | João Baptista e Miguel Teixeira*
Carpintaria de Cena | Anastácio Santo
Figurinos** e Adereços, Seleção e Criação de Guarda-roupa | André Correia
Costura | Natividade Correia
Coreografias | Casey-lee Binns
Direção Musical e Vocal | Lidiane Duailibi
Arranjos Musicais | Duarte Andrade
Montagem e Operação de Som | Henrique Vieira
Desenho de Luz | Eduardo Luíz e Hélder Martins
Operação de Luz | Hélder Martins
Fotografia do Cartaz | DDiArte
Design Gráfico | one line
Fotografia de Cena | Célia do Carmo
Tradução em LGP | Débora Freitas
Apoio à Montagem Técnica e Artística | João Baptista, Miguel Teixeira e Pedro Santos
Direção de Produção/Divulgação | António Plácido
Produção de Promoção/Divulgação | Ana Graça, António Plácido, Filipe Luz e Isabel Martins
Direção de Produção Ester Vieira
Produção Executiva Ana Graça, António Plácido, Filipe Luz e Isabel Martins
Frente Casa e Bilheteira | Ana Graça

* O cenário de VIDAS PRIVADAS: fruto de uma parceria recente, celebrada entre a ATEF e a Universidade da Madeira (UMa), orientada pelos professores Duarte Encarnação, Pau Pascual e Vítor Magalhães, nasce o cenário de VIDAS PRIVADAS, criação de João Baptista e Miguel Teixeira (alunos do 3º Ano do Curso de Arte e Multimédia).
A parceria contempla a experimentação de outras valências e técnicas – como atores e como técnicos – direção de cena, montagem e operação de luz e som. E na sua própria área, envolvendo-se na plástica de cena – como cenógrafos, aderecistas e figurinistas.

** Utilização/adaptação de figurinos e adereços, de anteriores produções da ATEF.

Texto do Encenador

Este texto dramático de Noël Coward cativou-me pela sua loucura, pela sua frescura, pela sua boa tradução com uma linguagem simples, direta, bem estruturada onde dois casais vivenciam no meio de tanta confusão as suas paixões amorosas.

Quando trabalhei este jogo de sedução, de desconcerto e acerto, de amor, paixão, briga e de profundidade diversa de sentimentos, com os quatro atores centrais desta comédia, senti um gozo especial, que provocou em mim vários arrojos divertidos para uma boa comunicação com o público.

Vidas Privadas traz ao público um bom momento de comédia, onde dois casais incompatíveis, não só nos diverte com um humor bem arquitetado pelo autor, como também nos permite a reflexão das relações humanas e da complexidade que elas apresentam hoje em dia.

Eduardo Luíz

Sinopse

Devem ser muito raras as pessoas que são completamente normais, lá no fundo das vidas privadas de cada um. Tudo depende de um dado conjunto de circunstâncias (…) Sabe-se lá o que uma pessoa nãos será capaz de fazer (…)

in VIDAS PRIVADAS

Vidas Privadas zomba e ri das convenções sociais, disseca a relação amorosa expondo as personagens ao ridículo extremo que a entrega apaixonada nos pode levar. Esta obra é uma comédia sofisticada, espirituosa, de maneiras delirantemente ruins, que gira em torno de relações afetivas, que vão do amor ao ódio e do ódio para o amor em frações de segundos.

Vidas Privadas mostra quatro amantes à beira de um colapso nervoso, colocando o espetador muito atento às divertidas e inusitadas situações retratadas em cena.